Meditação

Amanhã é Lua Nova em Touro! Quer saber mais sobre a energia dessa lua?

foto: mariana ferrero

foto: mariana ferrero

Dia para introspecção, restauração e autocura a partir da reconexão com nosso feminino e nossa essência nesse momento auspicioso astrológico. O Período da lua nova é propício para momentos de reflexão, descanso, e meditação. Nos favorece liberar as questões do nosso mês não processadas, para nos revitalizarmos e prepararmos para um mês radiante! Símbolo da escuridão, da morte para o renascimento, nos estimula a deixar acontecer a morte do que não precisamos para o renascer na vida que queremos!

A LUA NOVA EM TOURO traz um convite para a dança, a beleza e a paixão que existe dentro de nós e em nossa vida. Manter-nos fiel a uma vida que faz sentido em nosso coração e alinhada com o propósito de nossa alma enche nossa vida de alegria. E, dessa maneira,  viver e realizar um trabalho com esse alinhamento, se torna prazer e amor em ação, serviço a um propósito. Uma vida com significado!

Esse é o caminho para nos mantermos presentes firmes e fortes, sem as tendências da mente de ir para o passado com estados depressivos ou para o futuro com uma ansiedade controladora. Sentir e viver a vida com presença no presente! Sentir o ar que refresca nosso rosto, os raios de sol que aquecem nossa pele e a água que nos acaricia em um maravilhoso banho. 

Talvez isso pareça longe da sua realidade, talvez não, mas o que é importa é que tudo que você precisa para vivenciar esse estado está dentro de você, aqui e agora! Confie e entregue-se! O círculo feminino e alguns conhecimentos e práticas nos dá o suporte para acessar os recursos infinitos de cura e transformação que existem em todos nós,  para atravessar os limites da mente e das crenças e padrões que nos afastam de nós mesmas.

Estamos no outono, uma estação que esfria e resseca, e ao mesmo tempo traz o maravilhoso poder da introspecção. Vamos aproveitar a energia dessa lua para nos reconectar e aterrar em nosso corpo, abraçar e acolher a nossa própria vida, reconectando com atividades que nutrem nosso corpo, emoções e pensamentos, preenchendo nosso coração com amor e força. 

Vamos aprender a arte de dançar com nós mesmas e nossa vida! Estar presente em cada passo, realizar nosso caminhar firme com amor e confiança, e ao mesmo tempo gracioso, leve, sensível e amoroso, conectado à Terra e a nossa alma. A beleza e a dança de cada uma de nós é única, e por isso jamais devemos comparar nossa forma de caminhar e nosso caminho ao de ninguém. Chegou o momento de nos empoderarmos de ser quem somos, por inteiro.

Essa lua nos convida a viver e agradecer o presente que a vida nos deu, reconhecendo o que temos, e assim,  nos relembramos a prosperidade inerente à nosso ser. Saímos da escassez da comparação e competição, e passamos para a abundância do amor, gratidão, cooperação e doação. Vamos juntas, cada uma com sua dança, criando um belo show da vida em união!

Espero você para meditar online amanhã às 20h30. Inscrição: clique aqui

A próxima LUA NOVA será no dia 26 de maio em que estarei dando o RETIRO SAGRADOS CICLOS FEMININOS: clique aqui para saber mais. E nossa meditação online da lua nova de maio acontecerá no dia 25! :)))

Te reconheço, te honro, te reverencio, te amo! Sat Nam!

Shridevi

Ps: Amanhã a noite também separe 2 colheres de sopa de óleo vegetal extra-Virgem de girassol ou gergelim, e adicione 2 gotas de óleo essencial (O.E.) de ylang-ylang, 2 gotas de gerânio e 3 gotas de lavanda. Aqueça-os em banho maria e com o óleo bem morninho faça uma auto-massagem em todo seu corpo. Caso não tenha os O.E. e tenha o óleo vegetal use o que tem. Se não tiver nenhum desses itens, use o hidratante que tiver ou sem nada só com o toque(o efeito será diferente de usar os Óleos que tem profundos efeitos terapêuticos da aromaterapia, porém desfrutará do efeito do toque). Você pode colocar uma música relaxante, criar um ambiente aconchegante para você com velas e meia-luz, e desfrutar dessa atenção com prazer e presença que seu corpo merece. Respire profundo e receba esse toque de amor e cura por todo seu corpo!

Se for meditar comigo online, prepare esse óleo e deixe por perto, usaremos na meditação, não precisa aquecer, você aquecerá depois.

 

Me liberta

O medo que paralisa, que controla, que explora. 

Me fez sua refém, me prendeu em sua jaula.

E a decorou com muitas lindas imagens que pareciam com um lindo castelo.

Escondido estavam grades que me limitavam no apego àquelas paredes, pinturas e tapetes.

Vestidos e bailes.

O que é real nisso tudo? Quem sou Eu? O que faz Sentido?

Preciso me despir de tantas roupas colocadas e compradas.

Largando esse papel me encontro, me perco, me questiono.

Observo, me entendo.

Me liberta. A liberdade é leve, solitária mas também em união. 

Ela é nada. Ela é tudo.

@GabrieleOliveiraShridevi

#liberdade #paz #conexao #meditacao #yogini #dancacommeditacao #quemsoueu #sentidodevida  #sagradofeminino #saindodocaixinha #espiritualidadevemdedentro #vivendocomsignificado 

Sat Nam: A história secreta do Kundalini Yoga - Parte I

yogibhajan-curadofeminino

Texto adaptado do blog Shit your ego says, por James McCrae traduzido por SatBhagat Singh                                                             Extraído do blog da ABAKY - Associação Brasileira dos amigos do Kundalini Yoga

Alongamentos? Sucos e alimentos naturais? Espiritualidade pseudo-oriental? Mulheres magras usando calças apertadas antes do café da manhã?

O yoga atualmente é uma tendência urbana, cuja popularidade só cresce desde a virada para o século XXI. A ironia desse “agora” no status do yoga como atividade física popular é o fato de se tratar de uma das práticas mais antigas da humanidade. 

No mundo contemporâneo, centros refinados de yoga e estúdios de Bikran são apenas a manifestação mais recente de uma tradição de milhares de anos que vem se adaptando a culturas em constante transformação. Nações inteiras tiveram seu auge e seu declínio. Religiões surgiram e desapareceram. A maçã das ideias foi passada de Eva para Isaac Newton até chegar a Steve Jobs. Mas o yoga, de uma forma ou de outra, permaneceu.

O desenvolvimento do yoga segue paralelo ao advento da espiritualidade oriental, e – antes do poder político da religião, centralizado como conhecemos hoje – a prática era considerada um método de conexão direta com o divino. A conexão entre espírito e corpo é o fundamento do yoga (a própria palavra “yoga” deriva de um termo sânscrito para “união”), que continua sendo a prática espiritual mais antiga e duradoura feita atualmente.

Há dezenas de variações de yoga, com diferentes estilos e filosofias. Algumas formas de yoga (como o Bikram) são estruturadas como exercício físico. Outras (como o Jivamukti) são mais centradas na meditação. O Kundalini Yoga é um pouco as duas coisas, mas também se preocupa com a consciência que ativa centros de energia por todo o corpo. Se você quer uma prática física aliada a um trabalho de iluminação espiritual, seu lugar pode ser uma aula de Kundalini Yoga.

“O principal objetivo [do Kundalini Yoga] é despertar todo o potencial da consciência humana em cada indivíduo; ou seja, reconhecer nossa consciência, refiná-la e expandi-la para nosso ser ilimitado. Limpar qualquer dualidade interna, criar o poder de ouvir profundamente, cultivar a quietude interior, prosperar e fazer tudo com excelência” – Kundalini Research Institute

A despeito das filosofias religiosas mais antigas, o Kundalini não se atém a regras estritas ou dogmas. Sua natureza pura permitiu que cada geração, durante milhares de anos, encontrasse um significado pessoal nessa prática. Seu objetivo é decentralizado e abnegado – isto é, ajudar os outros a atingir seu Eu Superior.

O Kundalini Yoga não se intitula como o único caminho; ele é apenas um caminho, uma ferramenta na jornada de descoberta pessoal de cada indivíduo. “Kundalini” é uma palavra do sânscrito antigo que significa literalmente “serpente enrolada em espiral”. Na antiga religião oriental (bem antes do budismo e do hinduísmo), acreditava-se que cada pessoa possuía uma energia divina na base da espinha, a energia sagrada da criação. Todos nós nascemos com essa energia, mas precisamos nos esforçar para “desenrolar a serpente”, colocando-nos assim em contato direto com o divino. O Kundalini Yoga é a prática de despertar nosso Eu Superior e transformar energia potencial em energia cinética.

Desde sua origem, o Kundalini Yoga não era ensinado em público, mas sim tratado como educação avançada. Os alunos precisavam passar por vários anos de iniciação, preparando-se para aprender as lições de espírito e corpo dos mestres de Kundalini. Durante milhares de anos, a ciência do Kundalini Yoga permaneceu oculta, passada em segredo do mestre para um discípulo escolhido, considerado merecedor.

Ensinar Kundalini Yoga fora da sociedade secreta da elite yóguica indiana era algo impensável. Acreditava-se que as pessoas não estavam preparadas para acessar um conhecimento tão poderoso. Desse modo, o Kundalini Yoga permaneceu em segredo até o dia em que um sikh rebelde e sagrado chamado Yogi Bhajan enrolou um turbante branco na cabeça e tomou um voo só de ida partindo do Punjab, na Índia, para Toronto, no Canadá, em 1968.

Para o Kundalini Yoga no Ocidente, Yogi Bhajan é a pedra de toque, o ponto onde tudo começa. Não é exagero dizer que sem ele o Kundalini Yoga continuaria desconhecido para os ocidentais até hoje. Ao visitar a Califórnia no final dos anos 1960, Yogi Bhajan testemunhou a revolução cultural dos hippies, percebendo uma semelhança de muitos de seus princípios com aqueles de sua criação sikh. Ele notou duas coisas:

1) Como atestado pela busca pela expansão da consciência, os jovens nos Estados Unidos estavam ansiosos por experimentar Deus;

2) Ajudados por drogas e por um misticismo pobre, estavam fazendo tudo errado.

Yogi Bhajan sabia que ensinar Kundalini Yoga fora da linhagem sagrada indiana era proibido. Mas enquanto meditava num fim de semana em Los Angeles, durante uma viagem em 1968, ele teve uma visão de uma nova espiritualidade que combinava o conhecimento antigo com a prática moderna. Terminou de meditar cheio de inspiração.

Ele ensinaria Kundalini Yoga no Ocidente, proclamando: “Cada pessoa nasce com o direito de ser saudável, feliz e sagrada, e a prática do Kundalini Yoga é uma forma de reivindicar esse direito”. Sua visita a Los Angeles, planejada para um fim de semana, se transformou em residência permanente.

Nos dois anos seguintes, Yogi Bhajan fundou a 3HO (Healthy, Happy, Hole Organization) e o KRI – Kundalini Research Institute. Isso era apenas o começo. Yogi Bhajan ministrou mais de 8 mil aulas de Kundalini Yoga. Criou o primeiro programa de treinamento de professores em 1969 e ensinou pessoalmente para milhares de yogis e futuros professores. Muitos de seus alunos e alunas, incluindo Gurmukh Kaur, abriram seus próprios estúdios de yoga, e muitas aulas são dadas hoje no mundo inteiro por yogis que aprenderam diretamente com ele.

“O Kundalini Yoga é a ciência que une o finito ao infinito” — Yogi Bhajan

Cura do feminino: um fim de semana especial. O primeiro encontro da nossa Formação Vivencial

Momentos indescritíveis e inesquecíveis marcaram nossas vidas no último fim de semana, em nossa formação Vivencial. Mágica, conexão, amor, luz, união, cura, despertar, milagres.

Pudemos nos conectar com nossa essência Divina e ouvir o que a nossa intuição diz. Através de práticas de meditação, kundalini yoga, danças, ensinamentos sobre os ciclos da mulher, rituais sagrados, mantras e silêncio, acessamos um lugar sensível e muito poderoso dentro de nós mesmas.  

Cada mulher tem uma essência e um caminho próprio de realização da sua energia, da sua essência, da sua individualidade. Cada uma é diferente e única. Quando ela assume e valoriza a sua individualidade, seja qual for, expressiva e extrovertida, ou introvertida e intuitiva, ela se realiza.

Esse foi o primeiro fim de semana da Formação Vivencial da Cura do Feminino. Os retiros, que acontecem por 5 fins de semana no Espaço Arco-Íris, em São Roque, é uma oportunidade de encontro com nossa essência e a partir desse momento, a única coisa que importa é o nosso templo sagrado.

Na sexta-feira, o dia foi de boas vindas, meditação e descanso. No sábado, o dia começou com o desjejum, com chá de gengibre e suco verde. O exercício de Kundalini Yoga nos ajudou a liberar os medos e projetar a proteção pelo coração. Só depois, tomamos café da manhã. Frutas, grãos, tapioca, pães integrais. Ao longo do dia dançamos, participamos de uma aula sobre Yin e Yang e sobre os ciclos menstruais da mulher. Com os olhos fechados, exploramos a natureza e conhecemos melhor a medicina ayurvédica. No domingo, repetimos as práticas da manhã e depois nos dedicamos a dançar nossas Shaktis. Foi lindo e transformador.

Compartilhamos com vocês alguns momentos, registrados pelo olhar da fotógrafa Marcella Karmann.

Desfrutem!